Plástica Tocantins Plástica São Paulo Plástica Paraná Plástica Pará Plástica Maranhão Plástica Mato Grosso do Sul Plástica Bahia Plástica Alagoas Plástica Acre Plástica Espirito Santo Plástica Piauí Plástica Mato Grosso Plástica Ceará Plástica Minas Portal Plástica Sergipe Portal Plástica Pernambuco Portal Plástica Rio Plástica Santa Catarina Plástica Rondônia Plástica Paraiba Plástica Rio Grande do Sul Plástica Amazonas Plástica Amapá Plástica Rio Grande do Norte Portal Plástica Goiás Plástica Roraima Plástica Brasília
Mande sua mensagem ou pergunta para Dr. Cláudio Rafael Caldas de Almeida Lemos .
Nome:
E-mail:
Celular: ( )
Cidade:
Mensagem:
Quero receber notificações por
E-mail ou Celular

 

Dr. Cláudio Rafael Caldas de Almeida Lemos

Nome completo: CLAUDIO RAFAEL CALDAS DE ALMEIDA LEMOS
Especialização: Cirurgião Plástico
CRM- RJ : 668087
RQE: 13411

CABELO - EXPANSÃO DO COURO CABELUDO

A expansão de tecido é uma técnica utilizada em conjunto com a cirurgia do couro cabeludo para aumentar o tamanho e a folga do couro cabeludo com cabelo. Em muitos indivíduos, as regiões frontal e do topo da cabeça são geneticamente predispostas à perda capilar. Enquanto que uma região chamada doadora, nas laterais e na parte de trás do couro cabeludo, é resistente a essa perda. Muitas vezes, a expansão do tecido é utilizada para aumentar a área doadora com cabelo para as áreas de reposição da perda capilar, resultante de ferimento ou doença. A expansão do couro cabeludo estica fisicamente a pele do couro cabeludo doador por um período de semanas a meses, antes da remoção cirúrgica do tecido do couro cabeludo calvo e do avanço da pele das laterais do couro cabeludo com cabelo, para substituí-lo. Este processo permite a remoção de uma área calva muito maior e exige muito menos procedimentos do que apenas a redução do couro cabeludo, porque usa expansores sob o couro cabeludo para aumentar os retalhos de pele com cabelo.

3D Animation

Expandindo o couro cabeludo

A anatomia do couro cabeludo possibilita a expansão do couro cabeludo. Sob as camadas de pele nas quais cresce o cabelo, no couro cabeludo, existe uma camada de gordura ligada ao tecido fibroso, chamada gálea aponeurótica. Sob esta, uma camada de tecido celular frouxo separa a gálea do tecido que forma a superfície externa do crânio, chamada de pericrânio. O tecido frouxo entre a gálea e o pericrânio permite à pele do couro cabeludo deslizar em todas as direções, e é quase destituído de vasos sanguíneos e nervos. Expansores de tecido são posicionados na região sob a gálea. Os expansores são dispositivos de silicone, do tipo balão inflável, que podem ser injetados com solução salina e gradualmente aumentados por um período de semanas. As propriedades elásticas naturais da pele permitem a ela expandir-se enquanto novas células crescem, aumentando permanentemente a área da superfície e o fluxo sanguíneo para os retalhos de cabelo que serão utilizados para cobrir a área de couro cabeludo calvo que será removida. Uma variedade de formatos de expansores permite aos retalhos do couro cabeludo ser expandidos para várias imperfeições do couro cabeludo e adaptar-se para atender às necessidades individuais do paciente.

Expandindo o couro cabeludo

Procedimento – inserção

O procedimento de expansão do couro cabeludo começa com a preparação das áreas de inserção do expansor e a administração de um anestésico local, frequentemente com sedação. Em seguida, são feitas incisões, que permitem erguer seções do couro cabeludo da região doadora. A posição e o comprimento das incisões são determinados pelo formado escolhido do expansor. Os expansores são inseridos no espaço abaixo da gálea e posicionados horizontalmente contra o pericrânio. A ausência de nervos e vasos sanguíneos nesta camada resulta num sangramento mínimo, ao mesmo tempo em que preserva um fornecimento adequado de nervos e sangue para o couro cabeludo. O catéter (port-a-cath) é utilizado para injetar a solução salina nos expansores que são posicionados à distância, sob a área calva que será eventualmente removida.

Procedimento – inserção

Procedimento – expansão

Após cerca de duas a três semanas, a expansão do tecido tem início. Uma solução estéril salina é injetada através da pele dos locais de injeção uma ou duas vezes por semana, preenchendo gradualmente o expansor por um período de semanas a meses. Durante este período, haverá uma mudança visível no formato do couro cabeludo, que pode ser disfarçado pelo penteado, chapéus ou cobrindo-se a cabeça. Os expansores são removidos cirurgicamente, a área calva é removida e os retalhos de cabelo expandidos são avançados, a fim de cobrir a imperfeição, e suturados na posição, como parte do procedimento de redução do couro cabeludo.

Procedimento – expansão

Resumo

Após o procedimento de redução do couro cabeludo, as suturas são normalmente removidas em 7 – 10 dias e a cicatrização completa ocorre em algumas semanas. Embora haja algum desconforto associado ao processo de expansão e o couro cabeludo fique temporariamente deformado durante o procedimento, uma extensa área de couro cabeludo calvo pode ser removida e reposta com os retalhos de cabelo expandidos. Este procedimento também reduz a tensão criada pela junção dos retalhos na redução do couro cabeludo e, portanto, pode minimizar problemas associados com a cicatrização das linhas de sutura e retração da pele calva na área removida. A expansão do couro cabeludo é especialmente útil em pacientes com mobilidade limitada do couro cabeludo, devida à cicatrização ou à pouca elasticidade. Consulte um especialista para determinar se a expansão de tecido é o procedimento cirúrgico correto para a sua necessidade de reposição capilar.

Resumo

 
Cirurgia Plástica é Com Cirurgião Plástico
Pesquisa Google
 

Cadastre-se | Cirurgiões Plásticos | Vídeos | Fotos | Notícias & Matérias | Cirurgias Plásticas | Quem Somos | Contatos

Acesse Também: BA - GO - PE - SE


Movimento Nacional de Valorização da Cirurgia Plástica